O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, admitiu esta quarta-feira que existiram “falhas” na forma como a Organização Mundial de Saúde (OMS) está a gerir a pandemia de Covid-19, pedindo multilateralismo na saúde.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou terça-feira que os Estados Unidos deixariam de subsidiar a OMS, acusando-a de não estar a gerir bem a crise sanitária global, numa decisão que provocou reações de preocupação e repúdio de vários países membros da organização das Nações Unidas, incluindo a França.

O chefe da diplomacia francesa admite que a OMS não está a atuar da forma mais eficaz perante a propagação do novo coronavírus, mas considera haver responsabilidade de todos na estratégia de combate à pandemia e pede uma colaboração concertada e mais multilateralismo.

Sem dúvida, há coisas a serem ditas sobre o funcionamento da OMS. Talvez haja falta de capacidade de resposta, (…) talvez uma falta de meios de deteção, alerta e divulgação de informações e criação de padrões”, disse Le Drian, durante uma audiência na Comissão de Negócios Estrangeiros do Senado francês.

“Mas não é automaticamente responsabilidade dos atores da OMS. Faz também parte dos fundamentos da instituição. Acho que a atual crise deve permitir-nos rever o papel de cada uma das ferramentas que temos hoje à nossa disposição”, concluiu o ministro francês.

O governo francês já tinha lamentado a decisão do presidente norte-americano de deixar de financiar a OMS, dizendo que a França esperava um rápido “regresso à normalidade”, para que a organização das Nações Unidas pudesse continuar o seu trabalho.

É uma pena, quando há uma pandemia, que a única ferramenta para a cooperação global esteja com problemas. A OMS é uma ferramenta importante”, disse Le Drian, considerando ser importante garantir que “amanhã não estaremos numa situação em que a OMS continue sem estar preparada para as suas funções”.

Para atingir esse fim, o chefe da diplomacia francesa sugere um aumento de multilateralismo nas instituições internacionais, à semelhança do que o governo de Paris, juntamente com o governo de Berlim, tem defendido dentro das Nações Unidas.

Os países membros da OMS vão reunir por videoconferência, na quinta-feira, anunciou Le Drian, explicando que o objetivo do encontro é melhorar “o sistema internacional de saúde, para tornar todas as ferramentas mais coerentes, dinâmicas e relevantes”.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, a OMS “é essencial para a gestão da atual crise (…). Só ela tem capacidade para trabalhar com todos os governos, para coordenar uma resposta à crise sanitária, através da rápida partilha de informações científicas”.

Para Le Drian, esta crise “mostra que algumas coias terão de ser melhoradas e fortalecidas”.

A nível global, a pandemia de Covid-19 já provocou quase 127 mil mortos e infetou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 428 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

. / AG