O Arco do Triunfo, em Paris, monumento que tem 50 metros de altura, está desde ontem "embrulhado" com 25 mil metros de tecido reciclado e três mil metros de corda vermelha, como se fosse um presente.

O artista búlgaro Christo e a sua mulher, a francesa Jeanne-Claude, imaginaram esta intervenção em 1962, quando moravam num pequeno apartamento nas proximidades do Arco do Triunfo. Christo fez até uma montagem fotográfica para mostrar como queria que a obra ficasse mas, depois, não chegou a apresentar o projeto à câmara de Paris. 

A ideia foi recuperada em 2017 para coincidir com uma exposição de Christo e foi aprovada pelas autoridades da cidade de Paris e pelo Centre des Monuments Nationaux, que supervisiona monumentos públicos. 

Christo, que ficou conhecido pelas suas intervenções em monumentos, como a Pont Neuf em Paris, o Reichstag de Berlim, e outros locais naturais, morreu em maio do ano passado. Agora, o sonho dos artistas tornou-se ealidade.

“Esta é a visão de Christo e Jeanne-Claude. É muito importante prestar atenção a cada pormenor que Christo queria ”, disse ao jornal The Guardian o sobrinho do artista, Vladimir Yavachev, que supervisionou o embrulho. “Foi totalmente desenhado por Christo até ao último detalhe e temos que o manter assim. Se as pessoas vierem e disserem que é igual aos desenhos, isso significa que fizemos um bom trabalho."

“Uma coisa muito importante é que as pessoas podem vir e caminhar ao redor do Arco do Triunfo e tocar o material. É uma obra de arte viva, que se move com o vento."

Os trabalhos começaram em julho, para instalar andaimes e preparar o monumento. O projeto custou 14 milhões de euros e foi financiado inteiramente com a venda dos estudos preparatórios de Christo, desenhos e colagens do projeto, bem como maquetes, trabalhos dos anos 1950 e 60 e outras litografias originais. Não recebeu financiamento público.

A obra será oficialmente inaugurada no próximo dia 18 e será removida a 3 de outubro.

Maria João Caetano