Frances Haugen, ex-funcionária do Facebook e denunciante da empresa, foi convidada pelo Comité do Mercado Interno e Proteção do Consumidor da União Europeia para uma audiência no Parlamento Europeu, adiantou o organismo em comunicado.

A decisão de organizar a audiência pública com o tema “Testemunhos dos denunciantes sobre os impactos negativos das grandes empresas tecnológicas” foi tomada pelo Comité na passada segunda-feira, que marcou o evento para o dia 8 de novembro. O objetivo é atender à "necessidade urgente" de estabelecer "regras democráticas para o mundo digital".

Denunciantes como Frances Haugen mostram a necessidade urgente de estabelecer regras democráticas para o mundo digital tendo em conta o interesse dos utilizadores. As suas denúncias revelam o conflito inerente entre o modelo de negócio da plataforma e os interesses dos utilizadores. Mostra que precisamos de regras fortes para a moderação de conteúdos e obrigações de transparência na Europa. Todas as alegações contidas nos ‘Facebook Files’ devem ser investigadas. Uma vez que a Comissão do Mercado Interno está actualmente a negociar a Lei dos Serviços Digitais e a Lei dos Mercados Digitais, uma audição pública com Frances Haugen irá enriquecer o discurso democrático e o nosso atual trabalho legislativo nas comissões envolvidas”, declarou a líder do Comité, Anna Cavazzini, citada no site oficial do Parlamento Europeu.

Frances Haugen, especialista em algoritmos, revelou a sua identidade no programa 60 Minutes, da CBS News, onde confirmou ser a fonte de Jeff Horwitz, jornalista do Wall Street Journal que escreveu várias peças com base nos documentos fornecidos pela antiga funcionária do Facebook.

No dia 5 de outubro, Haugen testemunhou perante o Senado dos Estados Unidos, e revelou, entre outras práticas, que o Facebook ignorou estudos internos que davam conta do impacto negativo da rede social Instagram na saúde mental dos mais jovens.

Durante o meu tempo no Facebook, apercebi-me de uma verdade devastadora: quase ninguém fora do Facebook sabe o que acontece dentro do Facebook. A empresa esconde intencionalmente informações vitais do público, do governo dos Estados Unidos e de governos de todo o mundo", afirmou a denunciante no Congresso dos Estados Unidos, citada pela NPR.

Redação / PF