«O meu pontificado vai ser breve»

«Tenho a sensação que o meu pontificado vai ser breve. Quatro ou cinco anos. Não sei. Ou dois ou três. Dois já passaram. É uma sensação um pouco vaga que tenho, a de que o Senhor me escolheu para uma missão breve. Sobre isso, mantenho a possibilidade em aberto», afirma.

Bento XVI, que foi o primeiro Papa em sete séculos a resignar ao cargo, em fevereiro de 2013, «abriu a porta com muito mérito para os papas eméritos. Abriu uma porta institucional», sublinha Francisco.




«Não me agrada muito», afirma, sobre a ideia de fixar um limite de idade, aos 80 anos, para a resignação de um Papa. O cargo de Papa «é uma graça especial», realça.




«Não me desgosta ser Papa»


«Não me desgosta ser Papa», responde Francisco a uma pergunta direta. «Uma vez concretizada "a coisa" [a nomeação], faz-se».

«A única coisa que eu queria era sair um dia [do Vaticano], sem ser reconhecido, e ir a uma pizzaria comer uma pizza», confessa.











Mas Francisco não deixa de pôr mais lume na fogueira: «Tenho de dizer que, às vezes, sinto-me usado por políticos do país [Argentina]. Políticos que pediam audiências».

O Papa argentino não poupa o seu povo. «Nós argentinos, não somos humildes», diz aproveitando para contar uma anedota: «Sabe como se suicida um argentino? Sobe pelo seu ego e atira-se».

 

«Habemus papam!»











Momentos marcantes


BrasilTerra SantaCoreia do Su AlbâniaTurquiaSri LankaFilipinasEstrasburgosete viagens em Itália






O Papa Francisco iniciou ainda um Sínodo sobre a Família, em duas sessões, com consultas alargadas às comunidades católicas: uma sessão extraordinária realizada em outubro de 2014, e outra ordinária, que vai decorrer neste ano de 2015 de 4 a 25 de outubro.



Retomada de relações Cuba-EUA. Em 2014 um acontecimento histórico: Cuba e os EUA decidiram retomar as relações diplomáticas. Em nota, a Santa Sé falou sobre a intervenção do Papa Francisco nesse processo, já que, nos meses anteriores ao anúncio da decisão, o Sumo Pontífice escreveu aos presidentes de ambos os países convidando-os a resolver questões humanitárias de comum interesse para iniciar uma nova fase de relações.






Solidariedade concreta.





Solução urgente para o Médio Oriente.





Tolerância zero para pedofilia na Igreja.




Criação de novos cardeais.





Centenário da I Guerra Mundial.

Denúncia de abandono.

Vítimas de abusos sexuais.





Canonização simultânea de João XXIII e João Paulo II.





Beatificação de Paulo VI.

Missa por cristãos assassinados.





Paternidade responsável.