O candidato da direita às eleições presidenciais francesas, François Fillon, disse esta quinta-feira, em Paris, que "não se pode pedir aos alemães para pagar" a dívida dos outros países europeus.

Hoje, francamente, pedir aos alemães para pagar a nossa dívida, não acho que seja uma solução que tenha muito sucesso", respondeu François Fillon quando questionado pela agência Lusa sobre se é a favor a uma renegociação da dívida de países como Portugal e uma possível mutualização da dívida pelos países europeus.

François Fillon começou por explicar que a sua "prioridade é organizar a zona euro" e que só "quando a Europa for reorganizada se poderá falar de mutualização da dívida".

Hoje, mutualizar a dívida é uma fantasia, só pode conduzir ao enfraquecimento da zona euro. Não se pode pôr a carruagem à frente dos bois. Primeiro, é preciso implementar um governo económico, implementar o dispositivo de Fundo Monetário Europeu que propus, e desenvolver um processo de harmonização fiscal. Quando todos estes esforços estiverem feitos poderemos evocar a questão da dívida”, afirmou o candidato do partido Os Republicanos à presidência francesa.

Durante a apresentação do seu programa sobre a Europa, na sede de campanha do seu partido, François Fillon disse querer “restabelecer ou estabelecer a soberania do euro”, afirmando que “após mais de 15 anos de existência, a zona euro deve tornar-se uma verdadeira potência económica mundial” e que se deve “fazer do euro uma verdadeira moeda de reserva como o dólar ou a moeda chinesa”.

Devemos dotar a zona euro de um verdadeiro governo económico, com chefes de Estado e de governo que se apoiem num secretariado independente da Comissão que será o embrião do futuro Tesouro europeu e num MES [Mecanismo Europeu de Estabilidade] transformado num verdadeiro FMI europeu para assegurar a nossa independência financeira”, declarou.

François Fillon acrescentou que defende uma “nova estratégia económica” baseada numa “agenda digital europeia” que “lute eficazmente contra as práticas desleais dos gigantes americanos e asiáticos” e disse querer “acabar com a lógica do ´dumping’ em nome de uma livre concorrência desleal sem restrições” simbolizada, a seu ver, pela diretiva dos trabalhadores destacados.

A diretiva dos trabalhadores destacados simboliza todos os excessos e todas as derivas. Quero dizer novamente e muito claramente que ela deverá ser totalmente revista até ao fim do ano de 2017 senão a França deixará pura e simplesmente de a aplicar”, indicou.