Um homem de 38 anos, residente na Califórnia, foi preso esta sexta-feira por fraude fiscal, depois de ter comprado carros de luxo com o dinheiro que recebeu do Programa de Proteção de Pagamentos destinado a ajudar empresas em dificuldades durante a pandemia de covid-19.

Mustafa Qadiri foi indiciado por quatro acusações de fraude bancária, quatro de fraude eletrónica, uma acusação de roubo de identidade agravado e seis acusações de lavagem de dinheiro.

De acordo com as autoridades, os empréstimos a Mustafa começaram no final de maio de 2020 e, até junho, totalizaram cerca de cinco milhões de dólares (cerca de 4,1 milhões de euros). O homem de 38 anos é acusado de ter utilizado o dinheiro para comprar um Ferrari, um Lamborghini, um Bentley e para pagar férias de luxo.

Os carros em causa são um Lamborghini Aventador S de 2018, um Ferrari 458 Italia de 2011 e um Bentley Continental GT Coupe de 2020. Juntas, e mesmo em segunda mão, estas três viaturas podem custar uma quantia a rondar o milhão de euros.

Mustafa pediu o empréstimo a três bancos diferentes para ajudar quatro empresas sediadas na Califórnia que, segundo as autoridades, não estão operacionais. Além de ter alterado as informações das empresas, o homem também é acusado de ter usado o nome, um número da Segurança Social e a assinatura de outra pessoa.

Se for condenado por todas as acusações, Mustafa Qadiri pode vir a ser condenado a uma pena máxima de 302 anos, afirmou o porta-voz do procurador do gabinete dos Estados Unidos.

Durante o último ano, várias pessoas foram presas por usarem indevidamente o fundo de apoio à covid-19, sendo que Mustafa é a terceira pessoa a ser acusada por comprar um Lamborghini com esse dinheiro. Em julho, um homem na Florida já tinha sido preso por fraude bancária depois de ter comprado um carro da mesma marca e, no Texas, outro homem que recebeu 1,6 milhões de dólares (perto de 1,3 milhões de euros) foi preso por ter também comprado um Lamborghini com o dinheiro do mesmo fundo.

Redação