Os incêndios que devastam a Sibéria são de tal forma graves que as autoridades da cidade de Yakutsk estão a pedir à população que fique em casa e que não abra as janelas, numa altura em que fogos sem precedentes devastam aquela zona da Rússia.

Do Kremlin chegam culpas para as alterações climáticas, com os incêndios a consumirem uma área que é já superior a 800 mil hectares.

Aconselho-vos a todos que fiquem em casas, sigam as medidas e mantenham portas e janelas fechadas", afirmou Evgeny Grigoriev, presidente da câmara de Yakutsk.

Na prática, é uma espécie de confinamento, palavra que se tornou normal por causa da covid-19, mas que aqui se aplica por causa dos incêndios, naquela que é uma zona tradicionalmente conhecida por temperaturas baixas e muita neve.

Ao todo são mais de 180 os fogos, que cobrem cerca de 50 áreas residenciais da região de Yakutia, incluindo a maior cidade, Yakutsk. Todos os dias são mais de dois mil os operacionais que lutam contra as chamas.

Os fogos afetam também as ligações à cidade, com as operações no aeroporto e no rio Lena suspensas.

António Guimarães