A Rússia não pediu e não pretende integrar um G8, disse esta segunda-feira o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, desmentindo as versões ocidentais sobre o regresso do pais ao clube dos países mais ricos.

No domingo, o Presidente dos EUA, Donald Trump, tinha dito que pretendia convidar o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para a próxima cimeira do G7, que cabe a Washington organizar, revertendo a decisão de excluir a Rússia do G8, após a invasão da Ucrânia, em 2014.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo esclareceu esta segunda-feira que a Rússia não tem nos seus planos o regresso ao clube dos países mais ricos, durante uma conferência de imprensa no final de uma reunião em Moscovo com o homólogo angolano, Manuel Augusto.

Nunca abordámos o G7, nem o contactámos, nem temos isso em mente, quando elaboramos os nossos planos de política externa, afirmou Sergei Lavrov.

O chefe da diplomacia russa esclareceu, contudo, que Vladimir Putin não evita o contacto com os países do G7, no momento em que os seus líderes se reúnem em cimeira na cidade francesa de Biarritz.

O formato do G8, reunia os países com as oito economias mais ricas do planeta e existiu entre 2002 e 2014, ano em que a Rússia foi expulsa devido à anexação da Crimeia.

Em 2014, uma reunião do G8 ainda chegou a estar agendada para a cidade russa de Sochi, mas nenhum outro país participou desse encontro, tendo sido feito uma cimeira em Bruxelas, com os restantes sete países, dando início ao G7.

Atualmente, fazem parte do G7: Estados Unidos, Japão, Reino Unido, França, Itália, Alemanha e Canadá, além de uma representação da União Europeia.