A antiga namorada de Jeffrey Epstein negou, nesta terça-feira, em tribunal, ter recrutado menores a mando do então companheiro, para abuso sexual de ricos e famosos. Ghislaine Maxwell, socialite britânica, foi detida nos Estados Unidos pelo FBI, no início do mês, onde está a aguardar julgamento.

O caso começa a ser julgado dentro de um ano, a 12 de julho de 2021.

Ghislaine Maxwell está presa preventivamente em Nova Iorque, depois de ter sido detida a 2 de julho em New Hampshire. Está indiciada por quatro crimes de aliciamento de menores e dois crimes de perjúrio.

Os advogados da britânica, filha do magnata da comunicação social Robert Maxwell, já falecido, pedem a sua libertação provisória, mediante o pagamento de uma caução de 4 milhões de libras, devido ao risco de poder contrair Covid-19 na prisão, mas os procuradores norte-americanos defendem que a arguida deve continuar detida por representar um "risco extremo" de fuga.

A defesa de Ghislaine Maxwell argumentou, ainda, que a sua cliente "não é Jeffrey Epstein", sugerindo, inclusive, que foi injustamente retratada como "vilã" na comunicação social.

O milionário Jeffrey Epstein morreu na prisão a 10 de agosto do ano passado, quando aguardava julgamento, depois de ter sido acusado de tráfico e abuso sexual de menores. A sua morte foi considerada suicídio.

Catarina Machado