Uma professora britânica que pretendia viajar entre Manchester (Inglaterra) e Belfast (Irlanda do Norte) embarcou no avião errado da easyJet, dando por si em Gibraltar, a quase 1.700 quilómetros de distância do destino.

O que seria uma viagem de curta duração, de cerca de 40 minutos, para visitar a família, tornou-se numa viagem de mais de 12 horas para Gemma Cargin, de 25 anos. Aconteceu no fim de semana passado.

O monitor que nos diz qual é o voo junto à porta de embarque estava desligado, por isso não podia saber que estava a entrar no avião errado", contou a jovem professora à BBC.

Além disso, o bilhete de Gemma Cargin passou no scanner aquando do embarque sem qualquer chamada de atenção.

A britânica que aproveitou para fechar os olhos assim que se sentou só se apercebeu que estava no avião errado quando acordou.

Acordei e perguntei: 'Quando é que aterramos?´. Disseram-me que iríamos aterrar dentro de uma hora e quinze minutos. Ainda disse: ´mas este voo não é para Belfast?´. Fiquei chocada e preocupada quando me disseram que era para Gibraltar, até porque os meus pais ficaram de me ir buscar ao aeroporto", contou.

A easyJet abriu já um inquérito ao sucedido, uma vez que não deveria ser possível a um passageiro embarcar num voo errado.

Estamos a investigar com o aeroporto e o nosso parceiro de handling em Manchester como foi possível à sra. Cargin entrar no voo errado. Assim que foi detetado o erro, foi providenciado o voo de regresso a Manchester e depois para Belfast, o destino original. A nossa tripulação tomou conta da passageira e pedimos sinceras desculpas pelo sucedido", disse a companhia aérea low cost britânica.

A única parte positiva no meio disto tudo é que a passageira não teve de cumprir quarentena uma vez que não saiu das imediações do avião, apesar de ter descido à pista para tirar uma foto a comprovar a presença em Gibraltar, devidamente autorizada pela tripulação.

Redação / CM