O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, ameaçou hoje votar contra as conclusões da cimeira da União Europeia (UE) consagrada à questão migratória se a Itália não ver satisfeitos os seus pedidos.

"Esperamos atos. Esta cimeira será uma escolha e estou disposto a tirar da reunião todas as consequências", advertiu Conte à chegada a Bruxelas, onde decorrerá hoje a cimeira da UE.

Questionado sobre a possibilidade de usar o veto caso não obtenha uma satisfação, Giuseppe Conte referiu que "é uma possibilidade" que não deseja "imaginar".

"Mas, se chegarmos lá, do meu lado, não teremos conclusões compartilhadas", afirmou o chefe do Governo italiano populista, lembrando que reuniu uma lista de pedidos na reunião informal com 15 membros da UE, no domingo, convocada pelo presidente do Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Conte referiu que "a Itália elaborou uma proposta considerada razoável, porque está completamente alinhada com o espírito e os princípios fundados na UE", sublinhou o primeiro-ministro italiano.

Nos encontros que tive com dirigentes de outros países membros, percebi as muitas manifestações de solidariedade. Esperamos que essas palavras se traduzam em ações", insistiu.

Giuseppe Conte acentuou que "a Itália não precisa de sinais verbais, mas sim de factos concretos".

"Esta cimeira deverá ser uma escolha nascida entre dois caminhos", concluiu.

Conselho Europeu ainda sem conclusões por bloqueio da Itália

O Conselho Europeu, reunido entre hoje e sexta-feira em Bruxelas, não adotou ainda quaisquer conclusões, devido à reserva da Itália, que só aceita subscrevê-las após o debate sobre as migrações, indicaram várias fontes europeias.

Em comunicado, o porta-voz do presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, anunciou que “uma vez que um Estado-membro reservou a sua posição a todas as conclusões, nesta fase não foram acordadas conclusões”, sem especificar de que país se tratava.

Várias fontes europeias confirmaram à Lusa que foi o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, quem recusou subscrever as conclusões até que se debata a questão das migrações.

“Por esta razão, a conferência de imprensa dos representantes institucionais da União Europeia foi cancelada e terá lugar amanhã [sexta-feira], no final da cimeira”, acrescentou a nota do porta-voz de Tusk.