A polícia militar italiana deteve um “capo” da mafia calabresa (‘Ndrangheta) após 23 anos em fuga.

Segundo o El País, Giuseppe Giorgi, membro da família Romeo, procurado para cumprir uma sentença de 28 anos e nove meses por associação criminosa, extorsão e tráfico de droga, foi detido em casa, escondido num pequeno buncker.

Giorgi era procurado desde 1994 e era considerado um dos cinco criminosos mais perigosos de Itália.

O "capo" não resistiu à polícia e acompanhou os militares de forma ordeira. À saída foi cumprimentado por vários admiradores, que lhe beijaram a mão, gesto que deixou os carabinieri debaixo de fogo na imprensa, por permitirem este tipo de comportamento.

Atualmente com 56 anos, o Giorgi residia numa vivenda em San Luca, uma localidade do sul de Itália com cerca de 4.000 habitantes.

As autoridades sabiam que Giorgi estava numa das habitações do bairro alvo de buscas e cercaram o local para evitar uma eventual fuga. Durante seis horas revistaram todas as casas. As suspeitas recaíram sobre uma habitação em particular, que tinha uma cama por fazer, ainda quente.

Os carabinieri acabaram por descobrir Giorgi escondido num compartimento oculto na chaminé da cozinha. Uma pedra amovível escondia um túnel, que dava acesso ao pequeno buncker, pensado para ocultar o capo em situações destas, mas não por períodos longos.

Dentro da habitação a policia encontrou, ainda, 157 mil euros em dinheiro.