O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu hoje às Forças Armadas venezuelanas que estejam “mais unidas e coesas do que nunca”, depois da tentativa falhada de levantamento militar na terça-feira.

Não somos um país fraco, nem desprotegido. Somos um país com uma Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) poderosa, que deve estar cada vez mais unida, coesa e leal do que nunca”, afirmou Nicolás Maduro, citado pela agência espanhola EFE, durante uma visita a um centro de treinos militar, localizado no estado de Cojedes.

Nicolás Madura, que se fez acompanhar nesta visita pelo ministro da Defesa, Vladimir Padrino, e por altos comandos militares, sublinhou que essa união é fundamental, uma vez que “existe um império norte-americano que pretende governar toda a América”.

Esta visita de Nicolás Maduro surge num contexto de grande tensão política, depois de o presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, ter liderado um levantamento militar falhado em Caracas.

Por esse motivo, Maduro pediu aos cadetes que “estejam atentos aos “traidores” e que tenham uma “lealdade ativa”.

Segundo o líder venezuelano, os Estados Unidos “iniciaram uma guerra de caráter não convencional para enfraquecer” a Venezuela, assim como uma conspiração para dividir e destruir as FANB.

Já assistimos a um grupo de traidores na Praça Altamira. Levaram metralhadoras e espingardas para as apontar às Forças Armadas e ao povo”, concluiu, numa referência aos militares que participaram no levantamento militar de terça-feira.