Os conservadores da Nova Democracia ganham, com 39,8% dos votos, as eleições legislativas na Grécia, contra os 31,5% do Syriza, e a abstenção situou-se nos 42%, no momento em que estão apurados 94% dos resultados.

O Syriza, partido do primeiro ministro cessante, Alexis Tsipras, ficou com uma desvantagem de oito pontos face ao seu principal rival político, o líder dos conservadores do Nova Democracia (ND), Kyriakos Mitsotakis, que conseguiu obter uma maioria absoluta.

A ND conseguiu eleger 158 deputados, para os 300 lugares do Parlamento, enquanto que o Zyriza conserva apenas 86 dos 144 lugares que tinha no Parlamento atual.

Já o ex-ministro das Finanças grego Yanis Varofakis e o seu partido MeRA25 conseguiram alcançar nove lugares no Parlamento grego, numas eleições que castigaram o seu antigo parceiro, o líder de Syriza.

Uma vez mais os gregos derrotaram um Governo que se atreveu a impor programas de resgate", disse Varofakis depois de conhecer os resultados das legislativas gregas de hoje.

MeRA25 entra no Parlamento superando ligeiramente o mínimo necessário de 3%.

Porém, a abstenção foi bastante elevada atingindo os 42%.

A abstenção é explicada por um certo cansaço dos gregos que foram chamados às urnas pela terceira vez em um mês e meio. No entanto, não é superior em mais do que um ponto à abstenção que se verificou nas Europeias e na primeira volta das municipais de 26 de maio.

O efeito da crise dos últimos anos no país, que teve de recorrer à ajuda externa, e o descrédito na classe política fez aumentar a abstenção de 29%, há dez anos, para mais de 40% agora.

O voto é obrigatório na Grécia entre os 17 e os 70 anos, mas as penalizações por não votar não são aplicadas, na prática.

Alexis Tsipras, primeiro-ministro cessante, reconheceu a derrota e deu os parabéns a Mitsotakis, garantindo que irá respeitar a vontade dos cidadãos. O líder do Syriza acrescentou que espera que o governo da Nova Democracia respeite os direitos dos trabalhadores e que irá entregar ao sucessor um país a crescer e com a credibilidade restaurada.

Já o conservador Kyriakos Mitsotakis, que toma posse como primeiro-ministro grego na segunda-feira, afirmou que “começa uma nova, mas bonita, luta” e prometeu trabalhar para dar emprego ao país. 

Pedi um mandato forte e deram-mo com generosidade. Não defraudarei as expectativas”, disse Mitsotakis, líder do partido de centro-direita Nova Democracia, que ganhou as eleições com maioria absoluta, assinalando que “um círculo doloroso se fecha hoje”.

Kyriakos Mitsotakis prometeu ainda que o novo Governo se pautará pelos princípios da transparência e da meritocracia e anunciou que o Parlamento trabalhará durante todo o verão porque “o futuro não pode esperar”.

(Notícia atualizada às 00:30)