Uma manifestação dos funcionários públicos em greve reuniu, nesta quarta-feira, milhares de pessoas em Brasília, como forma de pressionar o governo nas negociações de aumento salarial.

A concentração, iniciada no final da manhã de hoje, ocorreu em frente à Catedral Metropolitana, um dos principais símbolos da capital brasileira, segundo a imprensa brasileira.

Em seguida, os manifestantes marcharam pela Esplanada dos Ministérios, avenida onde estão concentrados os edifícios-sede dos principais órgãos do Governo.

Durante a marcha, o trânsito teve de ser interrompido, gerando transtornos para os motoristas. Os funcionários carregavam bandeiras e faixas, além de apitos e tambores.

Segundo estimativas da Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef), cerca de 12 mil trabalhadores terão participado na manifestação, número não confirmado pela Polícia Militar.

O protesto contou com a participação de diversas áreas do funcionalismo público, das quais cerca de 30 setores já aderiram à greve.

A greve mobiliza professores universitários, polícias federais, agentes de instituições culturais e museus, além de funcionários de órgãos de saúde e de ministérios, entre outros.

Alguns dos setores já estão paralisados há mais de dois meses.

Especula-se que a paralisação de funcionários do Ministério da Agricultura e de fiscais da agência sanitária já tenham gerado fortes perdas para o comércio exterior do país.

O Governo tem afirmado que ainda está a avaliar as contas para confirmar quanto poderá oferecer na proposta de remuneração e quais os segmentos poderá atender.

De acordo com a imprensa brasileira, a indicação da presidente Dilma Rousseff tem sido no sentido de atender apenas às categorias da função pública que possuem vencimentos mais baixos e que já estão há muitos anos sem qualquer aumento.
Redação / CM