A China declarou, esta quinta-feira, que a guerra comercial bilateral iniciada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, com taxas alfandegárias punitivas e sanções contra empresas chinesas, é "terrorismo económico".

Somos contra a guerra comercial, mas não temos medo dela", declarou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhang Hanhui, em conferência de imprensa.

"Opomo-nos firmemente a este recurso sistemático às sanções comerciais, às taxas alfandegárias e ao protecionismo. Esta instigação premeditada de um conflito comercial é terrorismo económico, chauvinismo económico e assédio económico em estado puro", advertiu.

A declaração do responsável chinês surgiu no momento em que a China se mostra progressivamente mais ofensiva perante aquilo que considerou serem pressões intoleráveis de Washington.

A guerra comercial entre as duas potências intensificou-se desde que Washington aumentou, no início deste mês, as taxas alfandegárias punitivas sobre produtos chineses.

Donald Trump reforçou também a pressão sobre o gigante das telecomunicações chinês Huawei, "número dois" mundial dos 'smartphones' e líder planetário das redes móveis de quinta geração (5G).

Em nome da segurança dos Estados Unidos, uma lei proíbe desde o ano passado as administrações federais de comprarem equipamentos e serviços do grupo, ou de trabalharem com empresas terceiras que sejam clientes da Huawei.

A administração de Trump proibiu também as empresas norte-americanas de venderem tecnologia à Huawei, colocando em risco o aprovisionamento crucial para o gigante chinês de componentes eletrónicos produzidos nos Estados Unidos.

O unilateralisno e o assédio crescem e afetam gravemente as relações internacionais e os princípios fundamentais", sublinhou Zhang Hanhui.

"Este confilto comercial terá igualmente um impacto negativo importante sobre o desenvolvimento e o relançamento da economia mundial", advertiu o responsável chinês.

Perante o ataque de Trump, meios de comunicação social e responsáveis políticos chineses lançaram a ameaça de reduções nas exportações de terras raras para os Estados Unidos, o que poderá vir a privar as empresas norte-americanas de um recurso essencial para as tecnologias de ponta.

A China assegura mais de 90% da produção mundial deste conjunto de 17 metais, indispensáveis no fabrico de 'smartphones', ecrãs plasma, veículos elétricos, mas também de armamento.