O ano de 2016 foi o mais sangrento para as crianças da Síria. A conclusão consta num relatório da Unicef, divulgado esta segunda-feira. De acordo com este documento, pelo menos 652 crianças morreram na guerra no ano passado.

Os dados da Unicef mostram que o número de crianças que morreram na guerra da Síria aumentou 20% em 2016, comparativamente com o ano anterior, 2015. Foi o pior ano de sempre para os menores afetados pelo conflito.

Mais, destas 652 mortes, 255 ocorreram numa escola ou perto de uma escola.

Os números da Unicef impressionam, mas ainda não traduzem a verdadeira dimensão do problema. É que estes dados incluem apenas as mortes registadas de forma oficial, pelo que, na realidade, o número de mortes de crianças será bem maior.

A organização das Nações Unidas acredita ainda que 850 crianças foram recrutadas para combater no conflito, em 2016. Um número que se pensa ser o dobro face ao verificado no ano anterior.

“Milhões de crianças na Síria estão sob ataque no dia a dia. As suas vidas foram viradas do avesso”, sulbinhou Geert Cappelaere, diretor regional da Unicef para o Médio Oriente e o Norte de África, que apresentou o relatório a partir de Homs, na Síria .

A Síria está há há sete anos em guerra civil. O conflito devastou o país, provocando mais de 300.000 mortos. Milhares de crianças têm sido afetadas pelo conflito. 

/ SS