A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU) indicou que foi convocada uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU para esta segunda-feira para discutir a escalada da tensão entre Rússia e Ucrânia.

A reunião de emergência está agendada para as 11:00 em Nova Iorque (16:00 em Lisboa), nos Estados Unidos, 16:00 em Lisboa, segundo Nikki Haley.

A informação foi tornada pública através de uma publicação na conta da embaixadora na rede social Twitter.

Segundo diplomatas citados pela agência de notícias France-Presse, tanto a Ucrânia como a Rússia reivindicam o pedido de agendamento da reunião de emergência.

O Conselho de Segurança e Defesa da Ucrânia reuniu já de urgência e propôs ao Presidente Petro Poroshenko que ordene a lei marcial "por 60 dias", informou o secretário daquele organismo.

A decisão tem que ser votada pelo Parlamento ucraniano, durante uma sessão extraordinária marcada para a tarde de hoje.

A NATO pediu, também no domingo, “contenção” à Rússia e à Ucrânia após um ataque a três navios ucranianos no mar de Azov e instou Moscovo a permitir a livre circulação nas suas águas territoriais.

A NATO apelou igualmente à “contenção e à redução de tensões”, informou a porta-voz da Aliança Atlântica, Oana Lungescu.

No domingo, a armada ucraniana acusou a Rússia de ter apresado três navios militares da Ucrânia e fechado o estreito de Kertch, tendo disparado contra as embarcações e ferido três pessoas, situação que já foi confirmada por Moscovo.

Lungescu sublinhou que, na cimeira Aliada de julho, em Bruxelas, os líderes da NATO expressaram o seu apoio à Ucrânia e deixaram claro que a militarização russa em curso na Crimeia, no mar Negro e no mar de Azov faz “supor mais ameaças à independência da Ucrânia e agita e põe em causa a estabilidade da região”.

Entretanto, a alta representante da União Europeia para a Política Externa e Segurança exigiu à Rússia que restaure a liberdade de circulação no estreito de Kertch, para baixar a tensão na região.

Esperamos que a Rússia restaure a liberdade de passagem no estreito de Kertch e apelamos a todos para atuarem com a maior contenção para baixar a tensão imediatamente”, indicou a porta-voz de Frederica Mogherini, em comunicado.

"A União Europeia não reconhece e não reconhecerá a anexação ilegal da península da Crimeia por parte da Rússia”, frisou.