O papa pediu hoje à comunidade internacional que use os canais diplomáticos do diálogo e das negociações para alcançar a paz na Síria, numa altura em que nova escalada militar está a provocar o êxodo de milhares de civis.

Continuam a chegar notícias dolorosas do noroeste da Síria, especialmente em relação às condições de muitas mulheres e crianças, de pessoas que se veem obrigadas a fugir devido à escalada militar”, disse o papa, durante a oração dominical do Angelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano.

 

Renovo o meu apelo à comunidade internacional e a todos os atores envolvidos, para que usem os instrumentos diplomáticos do diálogo e das negociações, no respeito pelo Direito Humanitário internacional, para salvaguardar as vidas dos civis”, acrescentou.

As forças armadas sírias retomaram no sábado o controlo da cidade estratégica de Saraqeb, na província de Idlib e no noroeste do país, após semanas de bombardeamentos e combates contra os jihadistas e os rebeldes, anunciou a televisão estatal.

Saraqeb fica na junção de duas autoestradas chave, a M5 e a M4, que ligam as duas cidades mais importantes da Síria - Damasco e Alepo – e que o regime do Presidente Bashar al-Assad quer reconquistar para recuperar a economia devastada por quase nove anos de guerra.

Estas novas reconquistas surgem após a Turquia, que apoia alguns grupos rebeldes, ter enviado reforços para impedir um maior avanço das forças do regime.

Na sexta-feira, 350 veículos atravessaram a fronteira da Turquia para a Síria em direção a Idlib, segundo a agência estatal turca Anadolu.

Paralelamente, uma delegação encabeçada pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergéi Vershinin, começou em Ancara negociações com a Turquia sobre a situação na província de Idlib.

O regime de Assad lançou em dezembro a sua operação na região de Idlib, que já provocou o êxodo de cerca de 586.000 pessoas, segundo a ONU.

Desencadeada em 2011, a guerra na Síria já causou mais de 380.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados.

/ ALM com Lusa