O “líder supremo” dos talibãs, Hibatullah Akhundzada, ordenou esta quinta-feira que os responsáveis do movimento encontrem e “erradiquem” possíveis adversários infiltrados nas suas fileiras, na sequência de uma série de ataques sangrentos contra o novo regime.

“Todos os anciãos (...) devem inspecionar as suas fileiras e verificar se não há entidades desconhecidas a trabalhar contra a vontade do Governo, para as erradicar o mais rapidamente possível”, disse Hibatullah Akhundzada, numa rara intervenção citada por porta-vozes do Governo.

Desde que assumiram o poder, em 15 de agosto, os talibãs têm enfrentado uma onda de ataques realizados pelo braço afegão (EI-K) do movimento ‘jihadista’ Estado Islâmico, também sunita, mas ainda mais radical do que os talibãs.

Na terça-feira, pelo menos 19 pessoas, incluindo um alto responsável dos talibãs, morreram num ataque a um hospital militar em Cabul, reivindicado pelo EI.

VEJA TAMBÉM:

ALTO FUNCIONÁRIO TALIBÃ MORTO EM ATAQUE A HOSPITAL MILITAR DE CABUL

ESTADO ISLÂMICO REIVINDICA ATAQUE QUE FEZ PELO MENOS 12 MORTOS NO NOROESTE DE BAGDADE

Os talibãs receiam que militantes rivais se tenham infiltrado no movimento, já que, nos últimos tempos, têm recrutado muitas pessoas para a administração do Afeganistão.

De acordo com Hibatullah Akhundzada, cada líder de unidade “deve encontrar-se e passar algum tempo com cada um dos seus combatentes para os ajudar no seu trabalho e comportamento”.

Ainda assim, avisou, “nenhum combatente deve ser tratado de maneira cruel ou violenta”.

O movimento talibã, que vive há mais de 20 anos numa situação de insurgência armada, organiza-se em centenas de unidades e subgrupos pertencentes a várias fações, às vezes em conflito umas com as outras.

Na sua função de “líder supremo”, Hibatullah Akhundzada, que vive escondido, é responsável por manter a união e por decidir as principais orientações internas do movimento.

Enquanto aguarda um eventual reconhecimento internacional do governo, o movimento islâmico está também a tentar evitar problemas internos, entre os seus militantes.

Na semana passada, três convidados de um casamento foram mortos por homens que se apresentaram como combatentes talibãs e que justificaram o ato com o facto de ter sido tocada música durante a festa. O episódio foi condenado pelo Governo.

Os talibãs conquistaram Cabul culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO, no país desde 2001.

/ BCE