Quando nasceu, Curtis Means tinha apenas 21 semanas e um dia de gestação e pesava menos de meio quilo. Dezasseis meses depois, o menino está saudável e é oficialmente o bebé mais prematuro a sobreviver.

O pequeno Curtis nasceu em Birmingham, no estado norte-americano do Alabama, a 5 de julho de 2020. Pesava 420 gramas e tinha uma irmã gémea, que não resistiu.

Passou 275 dias no hospital, ficou três meses a respirar com ajuda de aparelhos e teve terapia para aprender a usar a boca e a comer — de tão frágeis que ainda eram as estruturas do corpo.

A probabilidade de Curtis sobreviver também era pequena — menos de 1% — mas o bebé surpreendeu todos os prognósticos médicos. 

Já faço isto há quase vinte anos, mas nunca tinha visto um bebé tão prematuro ser tão forte como ele. Há algo de especial no Curtis", disse o médico Brian Sims, que fez o parto, ao Guinness World Records.

De um modo geral, uma gravidez dura entre 38 a 42 semanas. Se um bebé nasce antes das 37 semanas, é considerado prematuro (ou pré-termo). A mãe, Michelle Butler, entrou em trabalho de parto em metade do tempo.

Normalmente aconselhamos cuidados paliativos para situações de nascimentos tão prematuros, porque isso permite aos pais segurar os bebés e aproveitar aquele tempo curto que terão juntos", afirmou o médico. 

Curtis, que têm três irmãos mais velhos, ainda precisa de oxigénio suplementar e um tubo de alimentação, mas os médicos garantem que está de boa saúde.

Michelle Butler e Curtis Means -  Universidade do Alabama
Michelle Butler e Curtis Means -  Universidade do Alabama

Poder finalmente levar o Curtis para casa e surpreender os meus filhos mais velhos com o irmão mais novo é um momento que vou para sempre recordar", contou a mãe Michelle, em comunicado.

O recorde do bebé mais prematuro pertencia a Richard Hutchinson, do estado norte-americano do Wisconsin, que nasceu com 21 semanas e dois dias de gestação, pesando apenas 340 gramas.

Redação / RL