Actualizada às 12:25

O sismo de terça-feira no Haiti terá afectado cerca de três milhões de pessoas, avança a Federação Internacional da Cruz Vermelha, desconhecendo-se o número de vítimas mortais. De acordo com a Agência Reuters, quatro brasileiros da Força de Manutenção de Paz das Nações Unidas no país, morreram na sequência do abalo que destruiu parcialmente a sede da instituição.

Uma cidadã portuguesa ao serviço das Nações Unidas no Haiti já contactou as autoridades portuguesas e fez saber que está bem. Trata-se da jornalista Mariana Palavra, que trabalha para a rádio da missão da ONU no Haiti, e que vai ser retirada para a República Dominicana, conforme confirmou ao tvi24.pt fonte da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.

Familiares de outros três cidadãos portugueses, no Haiti ao serviço da União Europeia e ONU, contactaram também a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, para saberem notícias, mas ainda não foi possível contactar aqueles cidadãos. As ligações telefónicas com o Haiti continuam bastante condicionadas.

Uma dúzia de portugueses no Haiti

De acordo com a Agência Lusa, que cita fonte do Ministério da Administração Interna, a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) está a analisar o pedido de ajuda internacional emitido pelo Haiti.

200 pessoas sob escombros de hotel

Entretanto, através de países terceiros, vão chegando notícias vagas do Haiti. Há informações de um diplomata filipino ouvido pelas agências de informação internacionais que dão conta de equipas de socorro a retirarem dos escombros «muitos corpos» e vários sobreviventes.

O secretário de Estado francês para a Cooperação, Alain Joyandet, diz que cerca de 200 pessoas são dadas como desaparecidas sob os escombros de um grande hotel de Port-au-Prince. «Disseram-nos que o hotel Montana desmoronou. Disseram-nos que havia 300 pessoas no interior e que apenas 100 conseguiram escapar, o que nos preocupa muito», declarou.

Veja aqui os detalhes do sismo

O Montana situado perto do quartel-general da ONU, figura entre aos hotéis mais luxuosos de Port-au-Prince.

Obama acompanha terramoto no Haiti

Haiti: grupos de ajuda no Facebook e Twitter