Os Estados Unidos perderam a mulher mais velha do país. Contudo, não é conhecida a idade exata da norte-americana.

Segundo noticia a Associated Press, Hester Ford teria 115 ou 116 anos, dependendo de qual relatório dos censos estiver correto. De qualquer das formas, era mesmo a norte-americana mais velha quando morreu no sábado em Charlotte, no estado da Carolina do Norte, de acordo com o Gerontology Research Group, que rastreia os "supercentenários".

De acordo com o instituto, Hester teria 115 anos e 245 dias. 

Hester Ford nasceu numa quinta no condado de Lancaster, na Carolina do Sul, em 1905, se optarmos por uma estimativa mais conservadora (mas igualmente impressionante) da sua idade. Cresceu a trabalhar na apanha do algodão e casou aos 14 anos. Teve 12 filhos, 68 netos, 125 bisnetos e pelo menos 120 trinetos.

Ela era um pilar na nossa família e forneceu o amor, apoio e compreensão tão necessários para todos nós", afirmou uma das bisnetas, num comunicado enviado à imprensa americana.

Desde que ficou viúva, em 1963, Hester viveu em casa própria e sem assistência até aos 108 anos, quando feriu as costelas numa queda na banheira. Apenas nessa altura, e com insistência dos familiares, mudou-se para a casa da família, onde viveu até aos dias de hoje.

Ela não representou apenas a evolução da nossa família, mas também da raça afro-americana e a cultura do nosso país. Ela era uma recordação de quão longe chegámos como habitantes desta terra", disse ainda a bisneta.

Já nos últimos anos de vida de Hester, a família conta que a sua rotina envolvia um pequeno-almoço que incluía meia banana e um passeio ao ar livre para apanhar ar fresco, se o tempo permitir. Depois, a idosa sentava-se na sua cadeira reclinável e via álbuns de família, resolvia quebra-cabeças ou ouvia música gospel.

Quando questionava sobre o segredo para a longevidade, apenas frisou: "Eu simplesmente vivo corretamente, é tudo que eu sei".

Redação