Já foram detidas duas pessoas depois de as autoridades holandesas terem descoberto, na passada segunda-feira, que seis membros de uma família passaram quase uma década encerrados num quarto secreto de uma moradia numa zona rural de Ruinerwold, na Holanda. 

Em comunicado, a polícia sublinha que continua a haver muitas perguntas sem resposta, mas que tem uma equipa de 30 agentes a trabalhar para verificar toda a informação que é diariamente recolhida. 

Na última atualização ao caso, as autoridades referem que já foram detidas duas pessoas - recorde-se que, no início da semana, quando o caso foi descoberto, sabia-se que já tinha sido detido um homem, que se pensava ser o pai da família enclausurada. Agora, a polícia esclarece que o homem detido no dia 14 de outubro, de 58 anos, é  o inquilino da casa onde foram descobertas as restantes pessoas, e está acusado de privar outros de liberdade bem como de branqueamento de capitais; na quinta-feira foi detida uma segunda pessoa, um homem de 67 anos, "suspeito nesta altura de ser um co-autor do delito de privação de liberdade e abuso, no sentido de prejudicar a saúde de outros, e de branqueamento de capitais". 

O suspeito de 67 anos detido e outras seis pessoas envolvidas na investigação alegam formar uma família. O suspeito diz ser o pai, as outras cinco pessoas mais aquela que denunciou o caso dizem ser os seus filhos", explica a polícia em comunicado.

A investigação centra-se numa situação única. Estas pessoas podem ter vivido na casa umas com as outras, separadas da sociedade, desde 2010. A situação requer uma abordagem cautelosa, que inclui atenção e cuidado aos jovens adultos encontrados. Vários peritos estão envolvidos e foi providenciado alojamento às seis pessoas envolvidas num lugar seguro"

A polícia acrescenta em comunicado que os seis filhos, que são maiores de idade, não estão registados em qualquer base de dados e que a relação entre os detidos e os jovens adultos está a ser alvo de investigação. "Temos razões para suspeitar de que as seis pessoas envolvidas não ficaram na casa de Buitenhuizerweg de livre vontade. Estamos a investigar se alguma religião ou filosofia é a causa para viverem desta maneira", revelam as autoridades.

Pai queria fundar um culto

Segundo a imprensa holandesa, citada pelo The Guardian, o homem de 67 anos detido na quinta-feira, e que não foi identificado pela polícia mas diz ser o pai dos seis jovens adultos, estaria a tentar começar o seu próprio culto. 

Tratar-se-á de Gerrit Jan van Dorsten e já fez parte da  Igreja da Reunificação do reverendo sul-coreano Sun Myung Moon, que morreu em 2012. Conhecida pelos casamentos coletivos, a igreja existe desde 1954 e mudou entretanto de nome para Federação para a Paz Universal.

Depois de ser conhecido este caso na Holanda, os responsáveis da Federação emitiram em Nova Iorque um comunicado sublinhando que a instituição está  "profundamente alarmada por saber da família presa em condições desumanas na casa de uma quinta na Holanda".

A Federação confirmou ainda que van Dorsten foi "brevemente um membro do movimento em meados da década de 1980" mas que saíra em 1987, acrescentando que era conhecido que o homem sofria de problemas psiquiátricos e que o próprio irmão não sabia do paradeiro dele há mais de 30 anos.

Sobre Josef Brunner, nome pelo qual foi identificado o homem de 58 anos que era o arrendatário da propriedade - também ele detido - a Federação diz não ter qualquer registo, ainda que uma televisão austríaca garanta que foi na igreja que Brunner e van Dorsten se conheceram.

Entretanto, três pessoas que garantem ser filhas de Gerrit Jan van Dorsten revelaram publicamente que abandonaram a família há oito anos e não têm notícias dos familiares desde então. 

Um membro da Federação para a Paz Universal em Amesterdão, ouvido pela imprensa local, garante que o homem tinha deixado o movimento e pensava-se que partira para a Alemanha para, "junto com mais alguém", fundar o seu próprio culto. 

A família foi descoberta depois de um dos seis jovens - o mais velho - ter aparecido num bar em Ruinerworld e ter pedido cinco cervejas, que bebeu de seguida, revelou a BBC. Interpelado pelo dono do estabelecimento, acabou por confessar que tinha fugido e que precisava de ajuda, tendo nessa altura o dono do bar chamado as autoridades, que foram investigar a quinta onde o jovem dizia morar. 

Ele tinha cabelos compridos, uma barba suja, roupas velhas e parecia confuso. Disse-nos que nunca tinha ido à escola e que não ia ao barbeiro há nove anos", disse Chris Westerbeek, o dono do bar, citado pela estação pública holandesa. "Disse que tinha irmãos e irmãs que viviam na quinta, que era o mais velho e que queria terminar com a forma como estavam a viver", acrescentou.