A polícia sul-africana prendeu um homem de 31 anos que é suspeito de ter assasinado uma grávida de 28 em África do Sul. Não foi dado qualquer detalhe sobre o grau de parentesco entre os dois nem sobre as medidas de coação a que o suspeito será sujeito.

Tshegofatso Pule foi dada como desaparecida a 4 de junho. Quatro dias depois, o corpo da mulher foi encontrado com sinais de esfaqueamento, pendurado numa árvore em Roodepoort, um subúrbio de Joanesburgo. 

O homicídio chocou África do Sul e levou mesmo o presidente do país a pedir o fim da cultura de silêncio em torno da violência de género: nas últimas semanas, além do homícidio de Tshegofatso Pule, duas outras jovens foram barbaramente assassinadas, alegadamente vítimas de crimes de violência doméstica. 

Constatamos com desgosto que, numa altura em que o país está a enfrentar uma das mais sérias ameaças da pandemia, homens violentos estão a aproveitar-se das restrições aos movimentos para atacar mulheres e crianças", lamentou em comunicado o presidente Cyril Ramaphosa. 

 

Também nas redes sociais, têm sido vários os apelos à justiça perante a morte de Tshegofatso, com a hashtag #JusticeForTshego, e muitas mulheres têm organizado manifestações contra a violência de género na África do Sul.

Bárbara Cruz