Lucas Fowler e Chynna Deese estavam a terminar uma viagem de duas semanas ao Alasca quando a carrinha em que seguiam avariou. Vários populares pararam para ajudar, mas o casal garantiu que tinha a situação sob controlo. A 15 de julho, foram encontrados mortos na berma da estrada. A polícia do Canadá diz agora que este duplo homicídio pode estar ligado à morte suspeita de outro homem e ao desaparecimento de dois jovens, cuja carrinha foi incendiada.

Foram precisos três dias para que as autoridades conseguissem identificar os corpos de Fowler, australiano, de 23 anos, e de Deese, norte-americana, de 24 anos. O casal, que se conheceu num hostel na Croácia, em 2017, já tinha viajado pelos Estados Unidos, pelo México e pelo Peru.

Os cadáveres foram encontrados na berma da Autoestrada do Alasca, a cerca de 20 quilómetros do parque Liard River Hot Springs, um lugar muito popular entre os turistas.

Na sexta-feira, a cerca de 500 quilómetros a sul daquele parque, na cidade de Dease Lake, dois jovens canadianos foram dados como desaparecidos. Kam McLeod, de 19 anos, e Bryer Schmegelsky, de 18 anos, estavam à procura de trabalho. O veículo em que viajam foi encontrado incendiado nas imediações da localidade.

Durante as buscas pelos dois jovens, a polícia de Dease Lake deparou-se com outra morte suspeita: o cadáver de um homem foi encontrado num carro também destruído pelo fogo. O corpo ainda não foi identificado.

As autoridades acreditam que a morte deste homem pode estar ligada ao desaparecimento de McLeod e Schmegelsky e ainda ao duplo homicídio do casal Fowler e Deese, uma vez que estes acontecimentos ocorreram no espaço de poucos dias e perto da mesma autoestrada da província de British Columbia.

E há um homem que pode ser a chave para desvendar esta história: um indivíduo de barba, que foi visto a falar com Fowler na autoestrada.

Por isso, a Polícia do Canadá divulgou um retrato robot deste suspeito, descrevendo-o como um homem “caucasiano, moreno e de cabelo escuro”, que conduz um modelo antigo de um Jeep Grand Cherokee.

As autoridades também partilharam um retrato do homem encontrado morto, na esperança de que este possa ser identificado.

Não é habitual haver duas investigações grandes, desta natureza, no norte de British Columbia. A polícia está a agir tendo a possibilidade de estes casos estarem ligados”, afirmou a porta-voz da polícia Janelle Shoihet, em conferência de imprensa, na segunda-feira.

Logo depois de os corpos de Fowler e Deese terem sido encontrados, os agentes locais disseram aos jornalistas que o casal pode ter sido alvejado. Mas a a causa da morte do casal ainda não foi confirmada oficialmente.

Esta investigação está a começar e ainda não é possível determinar se o Lucas e a Chynna eram alvos específicos ou se este foi um crime de oportunidade”, sublinhou Shoihet.

Alguns órgãos de comunicação locais especularam que as mortes podem ser resultado das ações de um único homicida, um “serial killer”, ou que podem estar ligadas ao caso que ficou conhecido como “Highway of Tears”. Este caso, que abalou o Canadá nos anos 70, refere-se ao desaparecimento e assassinato de pelo menos 40 mulheres indígenas numa parte da autoestrada 16, que fica a cerca de 1.000 quilómetros da zona onde os novos crimes aconteceram.

Sofia Santana