Uma jovem marroquina morreu durante um ritual organizado pelos seus pais para «curar» a sua homossexualidade. Esta sexta-feira, um tribunal belga colocou-os em prisão preventiva, conta o 20minutos.

O crime ocorreu em Outubro, quando Layla Achichi não resistiu aos golpes e às queimaduras sofridos durante uma cerimónia na sua própria casa, em Amberes, norte da Bélgica.

Segundo o advogado da família, Johan Platteau, os pais rejeitam as acusações e garantem que estavam apenas a fazer a «cura espiritual» da filha, uma vez que estavam convencidos que a filha tinha sido possuída por um espírito maléfico que a fazia gay.

Houve uma terceira pessoa envolvida no ritual, que terá lido passagens do Corão.