Os hospitais de Nova Iorque já começaram a demitir ou suspender funcionários que não estejam vacinados contra a covid-19.

A medida, que entrou em vigor esta segunda-feira, já resultou na falta de profissionais de saúde em algumas unidades hospitalares, culminando no adiamento de cirurgias e na redução de serviços, segundo avança esta terça-feira a agência Reuters.

Na cidade de Buffalo, por exemplo, o Erie County Medical Center planeia suspender algumas das cirurgias já agendadas e não aceitar pacientes dos cuidados intensivos porque pode, brevemente, demitir cerca de 400 funcionários que optaram por não receber a vacina contra o coronavírus. Já na Northwell Health, um dos maiores centros de saúde de Nova Iorque, estima que seja necessário demitir milhares de pessoas.

Recorde-se que desde segunda-feira que entrou em vigor uma medida que permite a que os trabalhadores possam ser despedidos caso não tomem a vacina contra o vírus ou fiquem de baixa sem qualquer vencimento. Esta diretriz surge após ser obrigatório a toma da vacina a todos os profissionais de saúde e funcionários em lares de idosos

De acordo com o The New York Times, a 22 de setembro, cerca de 84% dos 450 mil funcionários de hospitais em Nova Iorque e 83% dos 145.400 funcionários de lares já tinham sido totalmente inoculados contra a covid-19. No entanto, estima-se que dezenas de milhares de pessoas não tenham recebido ainda qualquer dose da vacina, estando por isso agora em risco de perder o emprego.

Os potenciais efeitos colaterais das vacinas, a imunidade natural ou violação da liberdade estão entre os motivos pelos quais estes profissionais avançam não querer ser vacinados, segundo a mesma fonte.