O Luisiana prepara-se para a chegada do furacão Ida, que pode ser “extremamente perigoso” quando atingir terra este fim de semana, no 16.º aniversário do Katrina, um dos episódios meteorológicos mais violentos que este Estado norte-americano conheceu.

O furacão Ida, de categoria 1 de uma escala que vai até 5, situava-se às 22.00 horas de Lisboa a 70 quilómetros da ilha cubana da Juventude, segundo o último boletim do Centro dos Furacões dos EUA (NHC, na sigla em Inglês).

Com ventos de até 130 quilómetros por hora (km/h), o Ida está a avançar a 24 km/h para noroeste e deve chegar a terra no domingo, na Costa do Golfo, onde se situam os Estados do Luisiana e do Mississippi, segundo o NHC.

Esta agência estima que nessa altura o Ida pode evoluir para “um furacão principal” e “extremamente perigoso”, atingindo a categoria 4, com ventos potencialmente superiores a 200 km/h.

O presidente Joe Biden aprovou na sexta-feira a declaração de estado de emergência para o Luisiana, para permitir uma “assistência federal” aos esforços de preparação, com ordens de retirada, voluntárias e obrigatórias, a terem sido já emitidas em alguns locais.

“O presidente vai seguir esta situação com atenção e ser mantido informado dos desenvolvimentos durante o fim de semana”, disse a sua porta-voz, Jen Psaki.

“Este é um desafio extremo para o nosso Estado”, declarou o governador do Luisiana, John Bel Edwards, em comunicado, quando o Estado se debate com uma nova vaga de infeções com o novo coronavirus, que coloca os seus hospitais sob forte pressão.

“É a altura de os habitantes do Luisiana se prepararem”, exortou Bel Edwards, avançando que até sábado à noite todos os habitantes deveriam estar em um abrigo seguro.

“Garantam que vocês e a vossa família estão pontos a enfrentar qualquer eventualidade”, disse.

Nova Orleães, em particular, antecipa potenciais estragos.

“Estamos na trajetória da tempestade, prevemos repercussões importantes”, escreveu na rede social Twitter a presidente da câmara, LaToya Cantrell.

O Luisiana, Estado do sul do país, é atingido regularmente por furacões. Ainda não recuperou totalmente do traumatismo de 2005, quando o Katrina causou uma destruição elevada e mais de 1.800 mortos.

Nesta ocasião dramática, Nova Orleães tinha sido inundada em 80% quando os diques que a protegiam cederam.

Furacão Ida atinge Cuba pela segunda vez no mesmo dia

O furacão Ida voltou, na sexta-feira à noite, a atingir Cuba, na costa sul da província de Pinar del Rio, no oeste do país, anunciou o serviço meteorológico local.

O Ida tinha já atravessado a ilha da Juventude, ao sul da principal ilha de Cuba, ao início da tarde de sexta-feira, mas os ventos e as chuvas apenas causaram pequenos estragos na agricultura e em habitações.

Aquela província é atualmente o centro de um surto da covid-19 na ilha, onde o sistema de saúde foi abalado por um aumento de casos, nas últimas semanas.

Nas imagens transmitidas pela televisão, era possível ver dezenas de árvores caídas e a forte agitação marítima. Mais de dez mil pessoas foram retiradas da zona e o fornecimento de eletricidade cortado, preventivamente.

Na capital cubana, próxima desta província, os transportes públicos foram suspensos e milhares de pessoas retiradas.