O Papa Francisco brincou com um grupo de jesuítas, durante uma visita à Eslováquia, no dia 14 de setembro, ao afirmar que ainda está vivo, apesar de haver algumas pessoas que desejam a sua morte, avança a revista jesuíta italiana La Civiltà Cattolica.

Ainda estou vivo, embora alguns me quisessem morto”, brincou o pontífice. 

Francisco disse ainda que “houve, inclusive, reuniões entre prelados”, que pensavam que a condição de saúde do Papa era “mais grave do que se dizia” e que os seus críticos já estariam a preparar o conclave.

Francisco, de 84 anos, foi submetido a uma cirurgia no dia 4 de julho devido a uma estenose diverticular grave com sinais de diverticulite, na qual parte do intestino foi removida e que exigiu anestesia geral.

O anúncio do internamento causou surpresa, pois não se sabia que Francisco teria de se submeter a uma operação que estava marcada para os primeiros dias de julho, mês em que o pontífice reduz ao máximo seus atos para descansar e só mantém a sua presença na oração do Angelus.

O Santo Padre apontou ainda o dedo aos setores mais conservadores da Igreja Católica, que desaprovam a postura de Francisco nas questões sociais. 

Há uma grande rede de televisão católica que fala continuamente mal do Papa sem problema algum. Pode ser que eu mereça, pessoalmente, os ataques e insultos, porque sou um pecador, mas a Igreja não merece isto: é obra do diabo. Inclusive já disse a alguns deles", afirmou.