George Pell, um cardeal australiano que chegou a ser tesoureiro do Vaticano, foi condenado por cinco crimes de abuso sexual, praticados entre dezembro de 1996 e 1997 na Catedral de São Patrício, em Melbourne, a dois jovens de treze anos.

A condenação, unânime pelo júri de Melbourne, foi em dezembro do ano passado, mas o resultado só foi conhecido esta terça-feira, avançado pela agência Reuters.

Pell foi afastado do Vaticano pelo Papa Francisco no final do ano passado, depois de ter sido considerado, a dada altura na carreira, o terceiro homem mais poderoso do Vaticano e a mais alta figura católica da Austrália.

Aquele júri condenou o homem por ter sido considerado culpado de ter penetrado sexualmente duas crianças, de 13 anos, por cinco vezes.

A pena a aplicar ao cardeal só será conhecida na quarta-feira.