Os números são assustadores e, infelizmente, não devem parar de subir. Nos últimos meses, a Austrália tem sido devastada por incêndios que já causaram a morte a 25 pessoas e a mais de mil milhões de animais.

De acordo com o site Vox, que cita Chris Dickman, especialista em biodiversidade da Universidade de Sydney, o cálculo do número de animais que terão morrido nos fogos é feito através de estudos prévios que estimam o total de população animal em Nova Gales do Sul e que é depois multiplicado pela densidade das aéreas de vegetação.

Através deste cálculo, Dickman estimou que, só em Nova Gales do Sul morreram 480 milhões de animais desde o início dos fogos em setembro. 

Mas, tendo em conta que os incêndios se espalharam para o estado de Victoria, o número viria a aumentar significativamente.

“O número original - os 480 milhões - foi baseado em mamíferos, pássaros e répteis para os quais temos densidades, e esse número está um pouco desatualizado", afirmou o especialista ao Huffington Post, acrescentando que será superior aos "800 milhões, dada a extensão dos incêndios agora - apenas em Nova Gales do Sul”.

Mas, se também forem contabilizados os morcegos, os sapos e os animais invertebrados, Dickman garante que "sem dúvida nenhuma", o número de animais mortos supera os mil milhões.

“Mais de mil milhões seria um número muito conservador", acrescenta.

A atual época de fogos na Austrália foi a segunda mais destrutiva, mas não a mais mortífera na história do país.

Quase todos os estados e territórios australianos, com exceção da região de Camberra, foram afetados pelos fogos que desde final de outubro, mas especialmente desde a semana antes do Natal, com cerca de 13 milhões de hectares já queimados.

Só em Nova Gales do Sul, os fogos destruíram já mais de cinco milhões de hectares, uma área maior do que os Países Baixos, de acordo com a estimativa mais recente dos Serviços de Incêndios Rurais (RFS) australianos.

Nas últimas semanas, os incêndios tiveram particular impacto em zonas urbanas, com a estimativa mais recente do RFS a referir que quase 1.800 casas foram destruídas, número que ultrapassa as 2.000 em todo o país.