Uma jovem de 14 anos morreu, depois de o ciclone Gaja atingir território indiano, na última sexta-feira. Ao todo, os ventos fortes e as chuvas torrenciais fizeram já 46 mortos.

O caso da jovem indiana do estado de Tamil Nadu foi mais dramático. Estava a dormir numa cabana sem condições, depois de ter sido isolada pela família por estar menstruada.

Toda a família, que vivia numa casa junto à cabana sobreviveu à passagem do ciclone. A jovem morreu porque uma árvore foi derrubada com a força do vento e destruiu a cabana.

A jovem ainda foi levada ao hospital. Mas chegou já morta e os médicos dizem que tinham morrido horas antes.

Alguns aldeões encaram a situação como uma espécie de “abre olhos” para uma prática comum na Índia -  a de segregar as jovens e mulheres quando estão menstruadas. A menstruação é um assunto tabu em muitas zonas rurais da Índia. Acredita-se ainda em muitas regiões que as mulheres menstruadas são impuras.

A prática é comum entre famílias pobres, mas também entre as mais abastadas.

O ciclone Gaja destruiu mais de 80 mil hectares de área cultivada. Derrubou árvores e inundou casas. De acordo com dados oficiais, atingiu 12 distritos diferentes, na região Sul da Índia.