Os moradores da ilha de Ghoramara, na Índia, temem pelas suas casas. São espetadores diários do desaparecimento do local onde vivem.

A ilha, onde vivem perto de cinco mil pessoas, localizada no Golfo de Bengala, perdeu mais de 80 quilómetros quadrados.

As margens da ilha diminuem constantemente devido ao constante aumento do nível das águas do mar, resultante dos efeitos do aquecimento global.

Para além da possibilidade de perderem as suas casas, os moradores estão a ficar sem meios de subsistência. A agricultura e a pesca são as principais fontes de sobrevivência do povo de Ghoramara e estas atividades têm sido afetadas pelas alterações climáticas.

Se um tsunami ou um ciclone atingir esta ilha estaremos acabados”, afirma Sanjib Sagar, um dos habitantes à Reuters.

No caso da agricultura, as frequentes inundações ameaçam as colheitas de muitos produtores.

Todos os anos, a água salgada do mar entra na quinta e destrói a produção que tenho”, disse Mihir Kumar Mondal, um dos produtores.

Desde 1980, mais de 50% do território desapareceu devido à erosão causada pelo mar. Como resultado, dois terços da população abandonaram a ilha. No entanto, nem todos têm possibilidades para começarem uma nova vida noutro local e, por isso, aguardam diariamente por ajudas financeiras do governo indiano.

Se o governo me der ajuda eu irei embora”, afirma Sheikh Aftab Uddin, outra moradora.

Um dia, Ghoramara pode ficar submersa, alertam especialistas em alterações climáticas. Perante o ritmo de subida das águas, a ilha poderá desaparecer nos próximos 50 anos, forçando o êxodo da totalidade dos habitantes para outra região.