Deasy Tuwo, uma indonésia de 44 anos, morreu atacada por um crocodilo de estimação na passada quinta-feira. Enquanto o alimentava, a vítima caiu na água onde se encontrava o animal.

O crocodilo de 700 kg e com 4.4 metros de comprimento chama-se Merry e matou a mulher de forma brutal: arrancou-lhe o braço e a maior parte do seu abdómen. As autoridades acreditam que partes do corpo da vítima ainda se encontram dentro do animal.

A vítima era chefe de laboratório na "Pearl Farm", local onde o bicho se mantinha ilegalmente. De acordo com um comunicado da Agência de Conservação de Recursos Naturais de Sulawesi do Norte (BKSDA, na sigla em inglês) às autoridades, esta entidade já tinha tentado visitar a instalação para retirar o crocodilo mas nunca conseguiu permissão para entrar.

Nós viemos aqui algumas vezes, mas as cercas estão sempre trancadas", disse Hendricks Rundengan da BKSDA.

O corpo de Deasy Tuwo foi encontrado na manhã do dia seguinte e o réptil foi transferido para um local de conservação e lá permanecerá até as autoridades localizarem um cidadão japonês, o dono da "Pearl Farm" e de Merry. 

Esta espécie mata em todo o mundo cerca de 1.000 humanos por ano. Em África, há centenas de ataques de crocodilos a humanos anualmente, porém o arquipélago indonésio é considerado o local mais propício a estes incidentes, de acordo com a AFP. 

Em abril de 2016, por exemplo, um turista russo foi atacado por um crocodilo nas ilhas Raja Ampat, um local conhecido pela prática de mergulho.