O presidente da Indonésia, Joko Widodo, reuniu-se esta quinta-feira pela primeira vez com os familiares dos 53 tripulantes do submarino militar que se afundou na semana passada e ofereceu-lhes a construção de novas casas.

Joko Widodo, que já havia anunciado promoções póstumas para todos os marinheiros e bolsas de estudo para os seus filhos, renovou a sua promessa de apoiar as famílias dos indonésios que morreram no naufrágio do submarino Nanggala-402.

Vamos construir uma casa na localidade de vossa escolha", garantiu Widodo durante uma cerimónia solene diante das famílias num hangar de uma base naval em Java Oriental.

O submarino, um modelo da classe Cakra fabricado na Alemanha em 1978 e entregue à Indonésia três anos depois, desapareceu cerca de 40 minutos depois de submergir na madrugada da quarta-feira da semana passada durante uma manobra militar.

O Nanggala-402, que foi remodelado em 2012, foi localizado no domingo dividido em três partes no fundo do mar e a cerca de 800 metros de profundidade por um submarino de Singapura que participou no amplo dispositivo de busca, no qual a Austrália, a Índia e os Estados Unidos Estados também estiveram envolvidas.

As autoridades estudam agora a complicada operação para recuperar parte do submarino e os corpos dos marinheiros que se encontram no interior.

Segundo as primeiras hipóteses levantadas, a Indonésia descarta que o acidente tenha sido causado por erro humano e suspeita que tenha começado a sofrer rachaduras quando estava a uma profundidade de entre 400 e 500 metros, cerca de duas vezes superior à sua capacidade de mergulho, após ter sido varrido por uma onda subaquática.

As autoridades informaram na terça-feira que recuperaram o hidrofone, uma parte do submarino que pode ajudar a compreender os motivos do acidente.

/ AG