O Reino Unido vai começar a testar este mês os passaportes covid-19 em cinemas e eventos desportivos no âmbito da estratégia de redução gradual das restrições no país, onde metade da população adulta já tomou uma dose da vacina.

Com estes passaportes, as pessoas poderão comprovar que foram vacinadas, que têm um teste negativo à covid-19 ou anticorpos após vencer a doença, segundo revelam os meios de comunicação locais.

O objetivo é que esta espécie de atestados, contra os quais vários deputados se manifestaram, possam contribuir para o regresso seguro dos espectadores a eventos como jogos de futebol, conferências, cinemas ou até mesmo a discotecas, sem que haja necessidade de impor distanciamento social.

Os ensaios dos passaportes arrancam este mês e prolongam-se até meados de maio, envolvendo eventos como a semifinal da Taça da Associação de Futebol, que terá lugar em Sheffield, e teatros.

A BBC está hoje a noticiar que o Sistema Nacional de Saúde (NHS na sigla em inglês) britânico está a trabalhar num sistema que permite às pessoas demonstrar a sua situação de saúde em relação à covid-19 através de uma aplicação ou de um certificado em papel.

O governo liderado por Boris Johnson, adianta ainda a BBC, está também a ouvir especialistas para saber como lidar com a ausência destes certificados no caso das pessoas que não podem ser vacinadas.

Certo é que o governo não quer que os passaportes sejam usados para entrar em lojas que vendem produtos não essenciais, cuja reabertura está marcada para 12 de abril.

Os detalhes do plano de desconfinamento devem ser revelados esta segunda-feira por Boris Johnson, incluindo as autorizações de viagens de e para o estrangeiro.

Os meios de comunicação locais têm adiantado que os voos de e para o Reino Unido vão estar sujeitos a um sistema de semáforos, em que cada país surge a vermelho, laranja ou verde consoante a situação pandémica que registe.

Nessa escala, apenas as pessoas que viajem para um destino assinalado a verde não terão de fazer quarentena quando regressam ao Reino Unido.

/ CM