Novas fotografias do príncipe André hospedado na mansão de Nova Iorque de Jeffrey Epstein vieram a público. A revelação foi feita pelo jornal Daily Mail seis dias depois de o aristocrata ter concedido uma entrevista à BBC onde “categoricamente” nega ter tido relações sexuais com uma menor de 17 anos.

Na entrevista, o príncipe André descreveu a mansão de Jeffrey Epstein como uma “estação de comboios”, graças à quantidade de visitantes que recebia todos os dias. O duque de York afirmou que nunca viu nada que suscitasse suspeitas em relação a Epstein.

"Nunca vi 

 

 

O filho de Isabel II esteve na casa de Epstein pelo menos cinco dias, tendo sido organizado um jantar em honra do duque de York no dia 2 de dezembro de 2010. O jantar é visto pelas autoridades como uma tentativa de salvar a imagem pública de Epstein, que tinha acabado de ser libertado de uma pena de 18 meses de prisão por relações sexuais com menores.

As novas fotografias mostram seis mulheres e seis homens a entrar e a sair da mansão avaliada em 60 milhões de dólares (cerca de 54 milhões e meio de euros). O Daily Mail argumenta que as testemunhas na fotografia podem ter informações cruciais para a investigação do FBI sobre Epstein.

 

 

Na lista de convidados para o jantar na mansão de Epstein estavam os nomes de Woody Allen e da sua mulher Soon-yi; Katie Couric, à altura a pivô mais bem paga nos Estados Unidos; George Stephanopoulos, antigo diretor de comunicações do ex-presidente Bill Clinton; a comediante Chelsea Handler e o apresentador de televisão Charlie Rose.

Foi uma daquelas noites estranhas”, confessou a comediante Chelsea Handler ao New York Times. Peggy Siegal, a organizadora do jantar também disse ao mesmo jornal que “os convites foram enviados com a intenção dos convidados conhecerem o príncipe André”. 

Charlie Rose e o realizador Woody Allen já tinham sido acusados de crimes sexuais. 

Na entrevista à BBC, o príncipe André disse que não tinha ido à festa, baralhando-se e mudando a resposta momentos a seguir.

Não, não fui. Ah, em 2010, certamente não houve uma festa a celebrar a liberdade dele [Jeffrey Epstein] em dezembro. Foi um jantar, estávamos lá oito ou dez, eu acho. Se houve uma festa, eu não sabia de nada”, disse o duque de York.

A estada do príncipe André continuou no dia seguinte, 3 de dezembro de 2010. O filho de Isabel II desvalorizou o tempo passado com Epstein. 

A verdade é que eu só o vi durante breves momentos. Durante o jantar, durante o passeio e talvez de passagem”, disse à BBC.  

As fotografias reveladas no Daily Mail traçam uma cronologia dos eventos entre Jeffrey Epstein e o príncipe André desde o jantar na mansão em Nova Iorque até ao dia 7 de dezembro. 

No dia 5 de dezembro de 2010, André e Epstein são fotografados a caminhar juntos em direção ao Central Park. 

 

 

Testemunhas dizem que o passeio terá demorado cerca de meia hora. Durante o caminho, o príncipe disse à BBC que cortou relações com Epstein.

Acordámos mutuamente, durante o passeio, que iríamos deixar de nos ver e eu fui-me embora”, disse o príncipe.

Na noite de dia 5 de dezembro, uma jovem com cerca de 20 anos foi fotografada a sair da mansão de Epstein. Durante a tarde do dia seguinte, foram fotografadas mais três mulheres. Sarah Kellen, acusada de recrutar jovens para Epstein, também esteve na mansão nesse dia.

Na tarde de 6 de dezembro, um dia após a alegada conversa no Central Park, o príncipe André foi visto na mansão do multimilionário acusado de tráfico sexual de menores que se suicidou na prisão a 10 de agosto de 2019. André é filmado à porta a acenar à filha do ex-primeiro-ministro da Austrália, Paul Keating.

Entretanto o príncipe disse que ia abandonar as funções públicas devido ao escândalo em que está envolvido.

Estou, claro, disponível para ajudar qualquer autoridade com as suas investigações se solicitado", informou o príncipe num comunicado divulgado pelo Palácio de Buckingham.