O juiz de um tribunal inglês decidiu há cerca de uma semana que um bebé “em estado grave” deve receber uma transfusão de sangue, mesmo que a mãe da criança não dê consentimento por questões religiosas.

O Conselho de Saúde da Universidade de Cardiff e Vale pediu ao tribunal permissão para seguir com o procedimento médico, esperando uma decisão com urgência dado o estado de saúde do bebé de três semanas, escreve a BBC.

A mãe, testemunha de Jeová, é contra estas intervenções, opondo-se à realização da transfusão de sangue. Os testemunhas são tradicionalmente contra quaisquer tratamentos que envolvam o sangue, como este caso.

De acordo com o juiz, as provas eram suficientes para mostrar que o bebé morreria sem a transfusão.

O site oficial da religião diz que “tanto o Velho como o Novo Testamento mandam-nos, de forma clara, abster do sangue”.

Deus olha para o sangue como representação da vida. Por isso, evitamos receber sangue não apenas por obediência a Deus, mas também por respeito a Ele enquanto dador de vida”, explica a página.

A decisão do juiz foi tomada numa sessão à porta fechada, na divisão de Família, há cerca de uma semana, mas cujo resultado só agora foi divulgado.