A Praça de São Marcos, em Veneza, foi fechada esta sexta-feira, num dia em que se espera que o nível das águas volte a subir na cidade italiana.

Depois das piores inundações dos últimos 50 anos, que levaram o volume de água a chegar aos 187 centímetros, o Centro de Marés da cidade informou que a maré alta poderá atingir 160 centímetros, mais dez centímetros do que estava previsto, esta sexta-feira.

Antes das 7:00 e às 8:30, as sirenes de alarme voltaram a tocar, advertindo a população para a subida da maré.

Por isso, para garantir a segurança da população e dos turistas, as autoridades municipais encerraram a Praça de São Marcos, como informou o autarca da cidade, Luigi Brugnaro, no Twitter.

O governo italiano aprovou a declaração do estado de emergência na quinta-feira, disponibilizados 20 milhões de euros para as intervenções mais urgentes de apoio à cidade e à população.

Esta manhã, o vice-primeiro-ministro italiano e ministro do Interior, Matteo Salvini, esteve no centro histórico para observar a gravidade dos danos causados pelas inundações. Salvini esteve com Brugnaro e com o presidente da região de Veneto, Luca Zaia.

A cidade do romantismo viveu a maior "acqua alta", ou maré alta, dos últimos 50 anos.

A água atingiu os 187 centímetros, provocando estragos na Basílica de São Marcos. Foi a sexta inundação no interior da basílica desde que o edifício foi construído, há quase mil anos.

Várias lojas e galerias de arte também foram invadidas pela água.

Sofia Santana