Um maquinista que operava um comboio de alta velocidade no Japão vai enfrentar medidas disciplinares após ter abandonado o seu posto para ir à casa de banho, enquanto o veículo estava a viajar a 150 quilómetros por hora.

O condutor, de 36 anos, terá tido uma dor de estômago e pediu a um assistente para tomar o seu lugar, enquanto ia à casa de banho.

O problema foi que o assistente não tinha autorização para operar o veículo e, segundo um comunicado da operadora de comboios, deixou a máquina “ao abandono”.

O incidente ocorreu no passado fim de semana. O comboio levava consigo 160 passageiros a alta velocidade na linha de Tokaido, que conecta Tokyo a Osaka.

O maquinista talvez até pudesse ter escondido o incidente da atenção pública, não fosse o comboio ter chegado ao destino atrasado um minuto.

Um diretor da JR Central, responsável por operar os comboios, já lamentou o sucedido e sublinhou que as atitudes do maquinista foram “extremamente inapropriadas”.

O comboio que o homem estava a conduzir é denominado de shinkansen e faz parte de uma rede que conecta virtualmente todo o Japão, com os veículos a atingirem, por vezes, os 320 km/h.

Este incidente será a primeira vez que um condutor de um shinkansen abandona o comando com o comboio ainda em movimento. 

Os shinkansen são conhecidos no Japão por serem rigorosamente pontuais e terem um registo inviável de segurança, sem qualquer acidente mortal registado desde que começaram a circular em 1964, pouco antes de Tokyo ter dado casa aos Jogos Olímpicos.