Os preços dos transportes públicos nos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro vão voltar a descer, conforme reivindicavam os milhares de manifestantes que saem à rua há mais de uma semana no Brasil.

As negociações entre os governos locais e o governo federal tiveram sucesso e, segundo a «Folha de S. Paulo», o ex-presidente Lula da Silva também interferiu.

Em São Paulo, a tarifa de autocarro, metro e comboios voltará a custar três reais (cerca de um euro), contra os 3,2 reais que as companhias pretendiam.

O governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito Fernando Haddad afirmaram que esta diminuição irá onerar o orçamento do estado e da cidade e prejudicar os investimentos.

Já no Rio de Janeiro, a tarifa voltará a ser de 2,75 reais (cerca de 95 cêntimos), contra os 2,95 que estava em vigor.

Outras seis cidades brasileiras, entre as quais quatro capitais de estados, já haviam baixado as suas tarifas.

Os protestos no Brasil começaram devido aos aumentos dos preços dos transportes públicos, mas depressa se estenderam a outras reivindicações, como a necessidade de investimento na Saúde e na Educação em vez da organização de competições desportivas.
Redação / CP