As forças de segurança da Somália detiveram vários suspeitos de pertenceram à rede terrorista Al Qaeda, entre os quais está um cidadão português, informa o jornal Somalilandpress, que não adianta mais informações sobre o homem que alegadamente pertence à seita islamita al Shabaab.

A detenção ocorreu na sequência de várias rusgas policiais, que ocorreram durante várias noites, esta semana, e foram ordenadas depois do assassinado de um juiz.

O governador de Sool, Mohamed M. Ali, explicou que o juiz foi morto por homens armados com pistolas e que este foi o segundo juiz assassinado na região em apenas um mês.

«Nós não os prendemos apenas numa noite. Realizamos operações em várias noites e prendemos os supeitos de matar o procurador-geral e ainda vários operacionais da al Shabaab», disse por telefone à Waaheen News. A seita islamista está referenciada como tendo ligações à rede terrorista Al Qaeda.

O responsável não precisou o número de detidos, nem os nomes, mas adiantou que um combatente estrangeiro de origem portuguesa estava entre os detidos. Os suspeitos estão atualmente detidos em Las Anod.

«Os nossos operacionais levaram-nos a um homem estrangeiro português que era membro da al Shabaab. Isto é uma vitória do nosso Estado policial e militar. É uma operação de sucesso para nós», acrescentou.

Hargeisa é a capital da Somalilândia, uma região autónoma no noroeste da Somália, que não tinha ameças militares desde 2008 quando a rede al Shabaab levou a cabo três atentados suicidas que tiveram como alvo edifícios governamentais e das Nações Unidas. Pelo menos, 20 pessoas morreram nestes ataques.

Os al Shabaab estão sobretudo ativos nas regiões vizinhas da Sómalia onde milhares de tropas africanas os combatem, assim como outros grupos ligados à Al Qaeda.

Esta é a primeira vez que ocorre a detenção de um suspeito de terrorismo de origem estrangeira na Somalilândia.
Redação / CLC