O maior navio da Marinha iraniana incendiou-se e acabou por naufragar esta quarta-feira no golfo de Omã, disseram as autoridades.

A informação foi noticiada pelas agências de notícias Fars e Tasnim e confirmada pela Marinha.

O navio afundou-se perto do porto iraniano de Jask, a cerca de 1.270 quilómetros (790 milhas) a sudeste de Teerão, no golfo de Omã, perto do estreito de Ormuz.

Imagens publicadas pelos meios de comunicação social iranianos mostraram marinheiros com coletes salva-vidas a abandonar o navio (Kharg), quando as chamas consumiam já a embarcação.

A televisão estatal e as agências de notícias referiram-se ao Kharg como um "navio de treino".

O Kharg serve como um dos poucos navios da marinha iraniana capaz de reabastecer outras embarcações no mar, de içar cargas pesadas e servir de plataforma para helicópteros. O navio, construído na Grã-Bretanha e lançado em 1977, entrou na marinha iraniana em 1984, após longas negociações que se seguiram à Revolução Islâmica do Irão de 1979.

Os oficiais iranianos não indicaram qual a origem do incêndio a bordo do Kharg. No entanto, o caso surgiu após uma série de explosões desconhecidas que começaram em 2019, visando navios no golfo de Omã.

A Marinha dos Estados Unidos acusou mais tarde o Irão de ter como alvo os navios, o que foi negado por Teerão, embora as filmagens da Marinha dos EUA mostrassem membros da Guarda Revolucionária Iraniana a remover uma bomba por explodir de um navio.

Os incidentes ocorreram quando se intensificavam as tensões entre Washington e Teerão, após o então Presidente norte-americano, Donald Trump, ter retirado unilateralmente os Estados Unidos do acordo nuclear entre o Irão e as potências mundiais.

O naufrágio do Kharg é o mais recente desastre naval iraniano.

Em 2020, durante um exercício de treino militar, um míssil atingiu por engano uma embarcação perto do porto de Jask, causando 19 mortos e 15 feridos.

Também em 2018, um contratorpedeiro da marinha iraniana afundou-se no mar Cáspio.

/ RL