Amir Mohammed Abdul Rahman al-Mawli al-Salbi: este é o nome do novo líder do autoproclamado Estado Islâmico, de acordo com fontes de dois serviços secretos, citadas pelo The Guardian.

Salbi, que é um dos fundadores do grupo terrorista, liderou o genocídio da minoria Yazidi no Iraque e supervisionou operações em todo o mundo.

De acordo com o jornal inglês, Salbi foi nomeado líder da organização horas depois da morte de Abu Bakr al-Baghdadi, em outubro, na altura com outro nome.

Três meses depois do ataque que matou o último líder do Estado Islâmico, uma imagem "mais completa de Salbi foi montada por espiões, regionais e ocidentais", colocando-o no centro da tomada de decisões do grupo e retratando-o como um "veterano endurecido". "Na mesma linha que Baghdadi, inabalável na sua lealdade ao grupo extremista", escreve o jornal inglês.

O atual líder é considerado um dos mais influentes dentro do Estado Islâmico. Nasceu numa família turco-iraquiana, na cidade de Tal Afar, e é um dos poucos não árabes entre os líderes da organização.

Salbi subiu dentro da organização graças à sua formação em estudos islâmicos e por decisões contra os Yazidis. Salbi é formado em direito Xaria pela Universidade de Mosul. Em 2004, foi detido pelas forças norte-americanas na prisão de Camp Bucca, a sul do Iraque, onde conheceu Baghdadi. 

Os serviços secretos têm poucas informações sobre o paradeiro do novo líder do Estado Islâmico, mas sugerem que é "improvável" que este tenha seguido os passos de Baghdadi até à província de Idlib, podendo estar a oeste de Mosul.

A cidade de Mosul tem sido um refúgio para o que resta dos líderes e fileiras do grupo terrorista, que tentam fundir-se em comunidades em reconstrução, após cinco anos de guerra.

Rafaela Laja