O procurador federal alemão assegurou, esta sexta-feira, que a morte de Anis Amri não coloca um ponto final nas investigações ao atentado num mercado de Natal, em Berlim, na última segunda-feira. Em conferência de imprensa, reagindo à morte de Anis Amri em Itália, o procurador alemão disse que as autoridades continuam à procura de eventuais cúmplices do jovem tunisino.

"Apesar de sabermos que Anis Amri está morto, continuaremos com as nossas investigações", disse Peter Frank, em conferência de imprensa. 

É muito importante para nós sabermos se havia ou não uma rede de apoio e de cúmplices, incluindo se alguém ajudou esta pessoa a preparar e a levar a cabo o ataque e se o ajudou na fuga."

Peter Frank assegurou que as autoridades alemãs estão em "contacto permanente" com as italianas: "Estamos interessados em confirmar se arma usada por Amri em Milão era a mesma usada no ataque em Berlim. Estamos especialmente concentrados nesta investigação". 

Estamos também a investigar como é que ele conseguiu chegar a Milão. Se teve alguma ajuda ou cúmplices. Vamos verificar se fez contactos para preparart o ataque -  pessoas que o ajudar, inclusive, com dinheiro e o ajudaram a fugir."

O procurador federal alemão adiantou ainda que as autoridades germânicas consideram "vaga" a reivindicação do atentado por parte do autodenominado Estado Islâmico: "Não especifica o infractor."

As informações do procurador foram corroboradas pelo ministro do Interior alemão, Thomas De Maizière, que confirma que a investigação continua em curso.

A caça ao homem, que terminou com sucesso, não pôs fim à investigação. Temos de ir mais longe."

Numa conferência de imprensa, De Maizière adianta que o nível de alerta terrorista na Alemanha continua elevado.

O risco terrorista continua elevado." 

De Maizière não esconde o alívio que "o atacante já não constitua qualquer perigo".

Uma equipa de investigadores alemães viajaram para Itália, para trabalharem de forma estreita com as autoridades italianas: "Agradeço-lhes esta colaboração."

Anis Amri, o suspeito do ataque ao mercado de Natal de Berlim, foi morto num tiroteio com a polícia, em Milão, Itália, confirmaram já as autoridades italianas. Anis foi abordado junto à estação de comboios de Sesto San Giovanni, depois de uma patrulha de polícia ter considerado o seu comportamento suspeito. 

Quando lhe foi pedida a investigação, o suspeito disparou e feriu um agente. O outro elemento da patrulha respondeu a tiro e matou-o. 

Estava sem documentos de investigação, mas na mochila tinha um bilhete de comboio que indicava que tinha regressado de França.