Gianluigi Buffon revelou ter sofrido de depressão, aos 25 anos, pouco depois de ter chegado à Juventus.

Em entrevista à Vanity Fair, o italiano que este ano deixou o campeão italiano para assinar pelo Paris Saint-Germain, confessa que durante alguns meses achou que «tudo tinha perdido significado.»

«Parecia que ninguém se preocupava comigo, apenas com o futebolista. Era como se toda a gente perguntasse pelo Buffon e ninguém pelo Gigi», revela.

Num episódio passado momentos antes de uma partida, Buffon conta como foi falar com o treinador de guarda-redes da Juventus e lhe disse que não estava em condições de jogar.

«Fui ter com o Ivano Bordon e disse-lhe: ‘diz ao Chimenti para aquecer e jogar, não me estou a sentir bem’. Tive um ataque de pânico e não estava em condições de jogar.»

«Estava em depressão. E se não tivesse partilhado essa experiência, aquela nuvem e tumultos com outras pessoas, talvez nunca tivesse ultrapassado esse momento», acredita o guarda-redes, de 40 anos.

«Mas eu sabia que aquele era um momento decisivo em que tinha de enfrentar ou fugir das inseguranças que todos temos. Nunca tive medo de mostrá-lo nem de chorar, foi algo que aconteceu e que não me envergonha nada», concluiu.