Aos 81 anos, parece que o italiano Mauro Morando vai, finalmente, deixar a ilha de Budelli, no norte da Sardenha, onde vive sozinho há mais de 30 anos.

“Vou partir com a esperança de que no futuro a Budelli esteja protegida como eu a protegi por 32 anos”, diz o homem conhecido como "o Robinson Crusoé italiano", que vive naquela ilha desde 1989.

È una 20ina di anni che lotto contro chi mi vuole mandare via, anche se sostenuto , psicologicamente e non solo da...

Publicado por Mauro Morandi em Domingo, 25 de abril de 2021

Na altura, Morandi morava em Modena, no centro de Itália, mas, cansado da cidade, decidiu mudar completamente de vida: "Eu estava farto de muitas coisas na nossa sociedade, do consumismo e da situação política na Itália", explicou. "Decidi ir para uma ilha deserta na Polinésia, longe de todas as civilizações. Queria começar uma nova vida perto da natureza."

Só que o seu barco teve problemas e ele acabou por ir parar à Budelli. Ao descobrir que o guardião da ilha estava prestes a reformar-se decidiu ficar com o lugar dele. As suas funções eram cuidar da ilha e dar apoio aos turistas que ali vão em busca da famosa Spiaggia Rosa, a praia rosa.

Ieri sera

Publicado por Mauro Morandi em  Domingo, 18 de abril de 2021

Morandi vivia sozinho e tranquilo. Mas o seu emprego ficou em perigo quando, em 2013, a empresa privada proprietária de Budelli faliu. Um empresário da Nova Zelândia estava interessado em comprar a ilha mas o governo italiano requisitou o território. Em 2016, um juiz da Sardenha determinou que a ilha fosse devolvida ao público.

No ano passado, Mauro Morandi começou a ser pressionado para deixar o local. O diretor do Parque Nacional de La Maddalena, Fabrizio Fonnesu, disse à CNN que Morandi tinha feito alterações ilegais na sua cabana, uma antiga estação de rádio que datava da Segunda Guerra Mundial. Ele enfrentou uma ameaça de despejo mas mais de 70 mil pessoas assinaram uma petição apelando ao governo italiano que permitisse que ele ficasse. 

Até que no domingo, Mauro Morandi anunciou a sua decisão de partir. "Desisti da luta", disse ao jornal The Guardian, explicando que no final deste mês se vai mudar para um pequeno apartamento na ilha vizinha de La Maddalena: "A minha vida não vai mudar muito, ainda vou ver o mar", disse.

Maria João Caetano