A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, afirma que o país não terá as fronteiras abertas com o resto do mundo “durante muito tempo”.

As declarações de Ardern surgiram depois de uma reunião em que foi discutida a possibilidade de cidadãos circularem entre a Austrália e a Nova Zelândia livremente e sem terem de cumprir quarentena.

No entanto, a governante referiu que turistas de outros pontos do mundo, tão cedo, não poderão entrar no país.

“Há muito trabalho que precisa de ser feito antes de darmos esse passo, mas obviamente foi referido porque traz muitos benefícios (…) Não teremos fronteiras abertas com o resto do mundo por muito tempo”, disse a governante, citada pela BBC.

Tanto a Austrália como a Nova Zelândia fecharam as suas fronteiras para quase todos os cidadãos estrangeiros, com o objetivo de conter a propagação do novo coronavírus.

O turismo é uma das maiores indústrias da Nova Zelândia, empregando quase diretamente perto de 10 por cento da força de trabalho do pís e contribuindo com quase 6 por cento do PIB.

A maioria dos visitantes são da Austrália, logo seguidos da China, EUA e Reino Unido.

Lara Ferin