O Gabinete do Inspetor Geral do Departamento da Justiça dos EUA anunciou que o FBI e seu diretor, James Comey, vão ser investigados devido aos procedimentos seguidos no polémico caso dos emails de Hillary Clinton.

Segundo a Reuters, em causa está o anúncio feito a menos duas semanas das eleições presidenciais norte-americanas de 8 de novembro – às quais Hillary Clinton era candidata – que revelou que o FBI estava a investigar Clinton devido ao aparecimento de novos indícios relacionados com o caso.

O anúncio do FBI é visto pelos democratas como uma das razões que levaram à derrota de Hillary Clinton nas eleições dos EUA, devido à proximidade com o sufrágio.

Vamos por partes. Enquanto secretária de Estado, Hillary Clinton usou várias vezes uma conta de email pessoal para tratar de assuntos oficiais, o que é proibido, devido à circulação de informações privilegiadas. O FBI investigou o conteúdo das mensagens e, em julho, o diretor do FBI afirmou, em conferência de imprensa, que as autoridades não iam avançar com o caso por considerarem que Clinton, ainda que “extremamente descuidada”, não devia ser acusada de um crime federal.

No final de outubro, a descoberta de outros emails no computador do deputado Anthony Weiner – acusado por um crime não relacionado – lançou uma nova investigação, também anunciada por Comey. Só a dois dias da eleição, a 6 de novembro, o FBI acabaria por revelar o fim do inquérito e que Clinton não seria acusada de qualquer crime.

Agora, representantes do Departamento da Justiça (DOJ) e do FBI, onde se inclui o diretor James Comey, vão ser investigados. O DOJ quer saber se os procedimentos seguidos foram os corretos, em particular, se as informações deviam ter sido tornadas públicas.

Élvio Carvalho